24 de Maio – A Batalha do Riacho das Pedras: Itabaiana e a Confederação do Equador

Neste local, a 24 de maio de 1824, Félix Antonio Ferreira de Albuquerque e seus comandados, coerentes com os ideais de cidadania e liberdade, aqui escreveram uma das mais belas páginas de nossa história, conhecida como a Batalha do Riacho das Pedras.

Há 193 anos foi travada no Riacho das Pedras, em Itabaiana, a mais importante batalha realizada na Paraíba. De um lado, os Republicanos da Confederação do Equador, que lutavam contra o absolutismo do Império; do outro, os Legalistas, conservadores, aliados de Dom Pedro I.

A cidade de Itabaiana viveu, em 1824, a maior batalha já travada em solo paraibano, de brasileiros separatistas e republicanos contra os prepostos de Portugal. Os historiadores contam que os rebeldes, liderados por Félix Antonio Ferreira de Albuquerque, contavam com mil e quinhentos soldados. O combate se deu no Riacho das Pedras, com muitas mortes depois de quatro horas de luta. Cada grupo recuou: os legalistas voltaram para Pilar, e os revolucionários foram para Juripiranga, de lá fugindo para o Ceará. Entre eles estava o famoso Frei Caneca, um religioso que deu sua vida pela liberdade do Brasil.

Maria Joaquina de Santana era mulher do Capitão Félix Antonio, ela uma paraibana de fibra, que lutou até o último momento pela liberdade e pela honra do seu marido e de sua pátria. Ela foi o símbolo da valentia da mulher paraibana na Confederação do Equador, tendo um papel de destaque nas lutas dos revolucionários separatistas, os primeiros choques entre brasileiros e portugueses pela independência do Brasil. Em Itabaiana, os revoltosos esperaram reforço prometido de Pernambuco, que nunca chegou.

Capitão Félix Antônio, revolucionário da Batalha de 1824, (travada no Riacho das Pedras, entre Republicanos da Confederação do Equador e Tropas Legalistas do Império); a batalha travou-se por quatro horas com a participação de três mil e quinhentos homens. O Tenente Coronel Estevão José Carneiro da Cunha comandava o exército legalista não havendo vencedor. Como saldos da Batalha, 23 confederados foram mortos e 30 soldados legalistas foram presos. O escritor Joaquim Inojosa expressou-se “Razão têm os Itabaianenses de festejarem essa data que forma uma das belas páginas da história brasileira, diretamente de sua cidade”

Aquela batalha, a mais importante da Confederação do Equador, ficou marcada pela figura de uma mulher corajosa. Já dizia o filósofo francês André Comte Sponville, que “a coragem é a mais admirada das virtudes, desfrutando um prestígio que independe da época nem da sociedade. Em toda parte e em qualquer tempo, a covardia é desprezada e a coragem é estimada”.